7 de ago de 2009

Vídeo - A Casa das Sementes Livres de Aldeia Velha.

video

A casa das sementes livres de Aldeia Velha que fica no município de Silva Jardim/RJ é uma iniciativa dos membros da Escola da Mata Atlântica um grupo afim de disseminar e difundir o conhecimento da Agroecologia na região. Maiores informações sobre a escola da mata altântica abaixo nos links.

http://escoladamataatlantica.googlepages.com/

http://escoladamataatlantica.org/

6 de ago de 2009

Vídeo - Canto Dandara.

video

Vídeo produzido pelo Obervatório Ambiental Humanomar no qual a Rejuma confraterniza com os índios Pataxós num belo canto. Conheça o trabalho do Humanomar no site abaixo.

http://www.humanomar.com.br/

Vídeo - Depoimento Rejuma.

video

Depoimento sobre o prostesto da REJUMA no VI Fórum Brasileiro de Educação Ambiental. Vídeo feito pelo Observatório Ambiental Humanomar.

Vídeo - Manifesto da Praia Vermelha no VI Fórum - Parte II

video

Parte II - Manifesto da Praia Vermelha.

Vídeo - Manifesto da Praia Vermelha no VI Fórum.

video

Vídeo no qual membros da Rede da juventude pelo Meio Ambiente (REJUMA) se manifestaram em pleno o VI Fórum Brasileiro de Educação Ambiental e tiveram a voz podendo ler o documento Manifesto da Praia Vermelha.

5 de ago de 2009

Manifesto Rejuma no VI Fórum Brasileiro de Educação Ambiental.


Ministro do Meio Ambiente Carlos Minc lendo os cartazes.
Apesar dessa placa a REJUMA não se calou e fez seu manifesto


Representação da mídia marionete.




Preparando os cartazes

Preparação da manifestação.

Boneco de jornal uma crítica aos meios de comunicação.

Manifestantes da Rejuma.

A Rede da juventude pelo meio Ambiente (Rejuma) não ficou calada e se manifestou durante o discurso do Ministro do Meio Ambiente Carlos Minc. Foi lido uma carta no qual a Rejuma se posiciona e coloca sua opnião e postura perante aos problemas ambientais do Brasil e do mundo.


Manifesto Praia Vermelha.

A juventude pelo meio ambiente vem a público manifestar, durante o VI Fórum Brasileiro de Educação Ambiental, realizado entre os dias 22 e 25 de julho de 2009, no Rio de Janeiro, sua extrema preocupação com a crise ambiental planetária, seus reflexos no país, aliados à ausência e o não cumprimento de políticas socioambientais que garantam a construção de um Brasil Sustentável.
Reconhecemos o nosso papel diante das mudanças ambientais globais. Estamos exercendo nossa responsabilidade, realizando e propondo transformações significativas na sociedade e exigindo o cumprimento do Artigo 225 da Constituição Federal que afirma: “todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado (...), impondo-se ao poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações”.
Para que isso seja, de fato, colocado em prática, exigimos que:
1. O Poder Público, em suas esferas municipal, estadual e federal, cumpra o seu papel priorizando políticas públicas que promovam e estimulem as mudanças nos padrões de produção e consumo nos diferentes setores, como energia, transporte, florestas, saneamento, produção agrícola.
2. O Governo Brasileiro participe das negociações internacionais, posicionando-se a favor de uma política global justa de responsabilidade sobre os danos causados ao Meio Ambiente, exigindo medidas de combate e prevenção aos efeitos de acordo com o grau de poluição emitida por cada país e coloque em prática o Plano Nacional de Mudanças Climáticas.
3. Sejam mantidas as Reservas Legais, a soberania e a sustentabilidade dos biomas brasileiros, livres de transgênicos e de todas as formas de exploração predatória. Repudiamos assim a atitude dos ruralistas e o apoio do senado brasileiro em retroceder o código florestal com a aprovação da MP 458, ameaçando o bioma amazônico e a favorecendo a regulamentação de terras de posseiros e grileiros. A luta é em defesa de uma Amazônia Sustentável e pela soberania dos povos da floresta.
4. Seja aprovada a PEC 115-150, reconhecendo o Cerrado e a Caatinga como patrimônio nacional.
5. Sejam efetivados instrumentos de combate ao desmatamento, exploração mineral predatória e aos grandes projetos ditos de desenvolvimento que vão contra a demarcação de terras das comunidades tradicionais e subjuga a cultura local.
6. Seja garantido o cumprimento da Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento de 1992, que determina que aquele que causa a degradação deve ser responsável, integralmente, pelos custos sociais dela derivados.
7. A educação ambiental seja garantida de forma transversal e que seus recursos não sejam apenas oriundos de projetos de compensação, e sim assegurados pelo Estado. Que haja a continuidade da PNEA - Política Nacional de Educação Ambiental através dos coletivos jovens, coletivos educadores, salas verdes, COM-VIDA’s e Conferências de Meio Ambiente (Adulto e Infanto).
8. O Programa Nacional de Juventude e Meio Ambiente seja efetivado como política pública, garantido e estimulando a participação das juventudes no enfrentamento da crise ambiental planetária.
Rio de Janeiro – Praia Vermelha, 24 de Julho de 2009

Maiores detalhes no site da Rejuma www.rejuma.org.br







VI Fórum Brasileiro de Educação Ambiental

Vídeo REJUMA no VI Fórum.

video



Índios pataxós presentes no evento graças a articulação do CJRJ.

Stand do Coletivo Jovem RJ.

O suco fez sucesso durante o evento demonstrando ser uma tecnologia social

Suco da luz do sol feito pelo cj Angelo Prestes

Membros do Coletivo Jovem RJ.

Do dia 22 a 25 de Julho aconteceu no campus UFRJ próximo da praia vermelha o maior evento de educação ambiental do país o VI fórum Brasileiro de educação ambiental. O Coletivo Jovem de Meio Ambiente do Rio de Janeiro marcou sua presença no evento com um stand próprio no qual pode demonstrar sua história, suas ações e articular futuros membros e parceiros. O VI Fórum Brasileiro de Educação Ambiental é um evento de âmbito nacional que se constitui no grande encontro dedicado a esta temática no Brasil. Atualmente sob a responsabilidade da Rede Brasileira de Educação Ambiental (Rebea), coletivo que reúne os educadores ambientais do país, os fóruns vêm se consolidando como um espaço de destaque que congrega e articula os mais diversos atores e segmentos da Educação Ambiental (EA). As estimativas de público, no VI Fórum foi um público de 5 mil participantes inscritos.